Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Mediunidade é comum na infância


Mediunidade é comum na infância

Relatos de comunicação com espíritos revelam que a mediunidade é comum na infância. 

E os pais precisam aprender a lidar com a situação

Diana embalava o filho em frente a uma parede repleta de fotos na casa de sua mãe, em Brasília. 

Uma delas, envelhecida pelo tempo, chamou a atenção do pequeno Roberto, então com pouco mais de um ano. 

O garoto apontou a jovem que aparecia no retrato:-
- “Vovó.” 

A mãe achou estranho. 

“Sim, esta era a minha avó, sua bisa”, explicou. 

E perguntou como ele adivinhara, já que ninguém havia mostrado aquela imagem ao menino.

Roberto apenas tocou o colo da moça no retrato. 

“Dodói”, disse. 

Na foto, nenhum machucado aparente. 

O assombro tomou conta da sala quando Liana se recordou que a avó, já idosa, faleceu em decorrência de um câncer de mama. 

“Meu filho sabia daquilo sem que ninguém tivesse lhe contado”, resume o pai, Ricardo Movits

Ninguém deste mundo, é bom ressaltar.

Antes de tachar a história do menino Roberto de mentira, fantasia ou maluquice, vale lembrar que Chico Xavier, o maior médium brasileiro, teve sua primeira experiência mediúnica aos cinco anos, quando sua mãe faleceu e, em espírito, passou a visitá-lo.

Roberto, hoje com quatro anos, também diz receber a visita de parentes falecidos. 

E de modo assíduo. 

Contou que a avó freqüenta sua casa para lhe ensinar coisas sobre a vida e a morte. 

“Ela disse que as pessoas que morrem viram anjinhos e depois voltam a ser bebês”, afirma. 

Em outra ocasião, Roberto surpreendeu o pai ao comentar que o avô havia morrido porque fumava demais. 

“Entrou muita fumaça no peito dele”, completou.

Essas supostas habilidades do menino poderiam ser explicadas por meio da mediunidade. 

Estudada por religiosos, psiquiatras e até neurologistas, a mediunidade é a capacidade de ver e ouvir espíritos ou realizar fenômenos paranormais – como incorporação e clarividência – por intermédio de agentes externos. 

Ou seja, de entidades espirituais que utilizam o corpo do médium como veículo para se manifestar.

A comunicação com amigos invisíveis aos olhos dos pais costuma ser encarada como mera fantasia. 

“Há momentos em que a ilusão predomina e a criança transforma em real o que é apenas o seu desejo inconsciente”, considera a psicanalista Ana Maria Sigal, coordenadora do grupo de trabalho em psicanálise com crianças do Instituto Sedes Sapientiae. 

“Ao brincar com um amigo imaginário, ela nega a solidão e cria um espaço no qual é dona e senhora. 

Já falar com parentes falecidos é uma forma de negar uma realidade dolorosa e se sentir onipotente, capaz de reverter a morte”, acrescenta Ana Maria.

A interpretação é a mesma da maioria dos pediatras. 

Presidente do Instituto da Família, que estuda as relações familiares, o médico Leonardo Posternak afirma que esse tipo de fantasia permite à garotada chamar atenção. 

Segundo ele, as crianças percebem se os pais demonstram admiração por seu suposto dom. 

Ou se aproveitam do carinho especial recebido quando os pais desconfiam que o filho tem algum distúrbio psíquico.

Mas e quando surgem fatos capazes de assombrar os mais céticos, como o pequeno subitamente falar outra língua? 

“É importante que sejamos humildes para admitir que muita coisa ainda escapa à medicina cartesiana. 

Em vez de dizer aos pais que o filho não tem nada ou que os sintomas vão passar, seria mais honesto dizer que a medicina vigente não é capaz de diagnosticar o que se passa com ele”, afirma Posternak.

No vácuo deixado pela medicina, avançam cada vez mais as explicações alternativas que conciliam ciência e transcendência. 

Se uma criança descreve e dá nome a um amigo imaginário e a família descobre, ao investigar, que a descrição corresponde à de uma pessoa de verdade, que habitou a casa no passado, a linha entre ficção e realidade desaparece. 

É o que assegura Reginaldo Hiraoka, coordenador do curso de Parapsicologia das Faculdades Integradas “Espírita”, a única do gênero no Brasil, em Curitiba

“O mesmo ocorre quando crianças afirmam se lembrar de vidas passadas e citam episódios verídicos sem jamais terem ouvido algo a respeito”, acrescenta.

Mas nem sempre a convivência com o sobrenatural é tranqüila. 

Às vezes, os amiguinhos imaginários são substituídos por monstros que atrapalham o sono dos pequenos e os tornam arredios, agressivos ou profundamente tímidos. 

Como no filme Sexto sentido, de Night Shyamalan, crianças se dizem assombradas por imagens de espíritos que vagam com ferimentos ou fraturas expostas, exatamente como estavam quando morreram.

Segundo a doutrina espírita, isso acontece quando os espíritos desencarnados não conseguem se desprender do plano físico, seja por não terem se dado conta da morte, seja por não a aceitarem. 

Também é possível que um espírito persiga uma criança por ter sido ligado a ela em uma vida pregressa. 

“Imagine se seu bebê foi uma pessoa má na encarnação anterior e prejudicou alguém que, agora, se sente no direito de atrapalhar seu caminho”, cogita a autora do Livro:- Mediunidade em crianças, Agnes Henriques Leal

Conforme a tese espírita, é possível que esse filho sofra horrores com a influência de seres assustadores.

Há muitos psiquiatras adeptos do espiritismo que atendem crianças e adultos atormentados por fenômenos inexplicáveis. 

Um deles é Sérgio Felipe de Oliveira, diretor da Associação Médico-Espírita de São Paulo e autor da tese de que a mediunidade nada mais é do que uma atividade sensorial – como a visão e o olfato – capaz de captar estímulos do mundo extrafísico. 

O órgão responsável pela mediunidade, diz Oliveira, é a glândula pineal, localizada no cérebro, que controla também o ritmo de crescimento e, na adolescência, avisa a hora de dar início à liberação dos hormônios sexuais.

Mesmo que não veja ou ouça espíritos desencarnados, é a mediunidade que faz com que uma criança seja capaz de sentir se um ambiente está carregado e a faz chorar quando um estranho com energias ruins a pega no colo. 

Em sua clínica, Oliveira não descarta o uso de medicamentos, mas não tem dúvida dos benefícios da atividade espiritual, prescrita por ele como terapia complementar. 

Oliveira diz que, antes de se afirmar que uma criança está sob influência de um espírito, é preciso descartar as hipóteses de fantasia e de distúrbios psíquicos.

A primeira etapa é entrevistar o paciente em busca de elementos que não poderiam ser ditos por ele. 

“É difícil diagnosticar como fantasiosa uma criança de três anos que se põe a analisar quadros de Botticelli ou a conversar em francês sem nunca ter estudado o idioma”, exemplifica. 

Finalmente, exames neurológicos são feitos para se verificar se a atividade no cérebro é equivalente à registrada em convulsões ou surtos de epilepsia. 

Normalmente, a reação é outra.

No Livro dos Médiuns, Allan Kardec, codificador da doutrina, avisa que a mediunidade não deve ser estimulada em crianças, o que pode ser perigoso, já que os organismos delicados das crianças sofreriam grandes abalos. 

“É de se desejar que uma criança dotada de faculdade mediúnica não a exercite, senão sob a vigilância de pessoas experientes”, escreveu. 

Por esse motivo, em geral os pais são orientados a não incentivar os filhos a exercê-la. 

“Muitas crianças sentem dor porque o corpo não está preparado para receber esse impacto”, diz a psicóloga Inês Ignácio, do Centro Espírita Francisco de Assis, no Rio de Janeiro.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário