Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 31 de janeiro de 2015

Se eu pudesse


Francisco Cândido Xavier

A Luz em Ti


A Luz em Ti

A luz em ti, é um tesouro inigualável, teu somente. 

Ninguém dispõe dele em teu lugar. 

Nas horas mais difíceis, podes gastá-lo sem preocupação. 

Quando alguém te fira, é capaz de revelar-te a grandeza da alma, no brilho do perdão.

No momento em que os seres mais queridos porventura te abandonem, será parte luminosa de tua benção.

Ante os irmãos infelizes, é o teu cartão de paz e simpatia. 

Nos empreendimentos que te digam respeito ao próprio interesse, converte-se em passaporte para a aquisição das vantagens que desejes usufruir.

No relacionamento comum, transforma-se na chave para a formação das amizades fiéis. 

Na essência, é um investimento, a teu próprio favor, que realizas sem o menor prejuízo.

Esse tesouro é o teu sorriso, - luz de Deus em ti mesmo, - que nenhuma circunstância pode extinguir e que ninguém consegue arrebatar.

Meimei
Francisco Cândido Xavier 

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Onde o Amor Floresce



Existem vidas que transmitem grandes lições. 

Quase sempre são criaturas que não são famosas, nem por serem artistas, políticos ou terem realizado feitos que alteraram o destino da Humanidade.
São pessoas que vivem o dia a dia, junto a outras tantas. 

Geralmente poucos lhes lembram os nomes.
Num documentário televisivo a respeito do Holocausto, ouvimos a história de uma jovem polonesa e seu drama, durante a Segunda Grande Guerra.
Quando Hitler invadiu a Polônia e iniciou a perseguição aos judeus, sua família viveu, alguns meses, escondida em um porão.
Descobertos, foram separados e ela nunca mais viu seus pais ou teve notícias de seus irmãos.
No campo de concentração, onde foi colocada, ela padeceu os maiores horrores. 

A comida era pouca, o tratamento rude. 

As companheiras enlouqueciam.  

Ou eram mortas. 

Ou se matavam.
A essa altura, o repórter perguntou à entrevistada se ela nunca pensara em se matar.
Sim, disse ela. 

Mais de uma vez. 

Quando o frio era muito grande, a fome parecia me devorar e eu não via perspectiva de salvação. 

Mas, nesses momentos, lembrava de meu pai.
Logo que fomos para o porão nos ocultar dos nazistas, ele me disse:-
- “Filha, aconteça o que acontecer, nunca fuja da vida. 

Resista até o fim.”
E me fez prometer que jamais eu desistiria de viver.
Quando os aliados foram vitoriosos, a jovem, e mais quatro mil mulheres foram obrigadas a uma marcha forçada pelos alemães, em fuga das tropas aliadas.
Finalmente, um número muito pequeno delas, que não havia morrido no longo percurso, foram abandonadas num campo de concentração e encontradas, mais tarde, pelos americanos.
Aquelas mulheres estavam desnutridas. 

Algumas sequer podiam se erguer, tal o estado de fraqueza.
Ela mesma, confessa, tinha dificuldades para andar, pesava trinta e poucos quilos somente. 

E não tomava banho há três anos. 

O seu tempo de aprisionamento.
Então, um oficial americano muito bonito se aproximou dela e a tomou nos braços, carregando-a até um caminhão.
Durante o trajeto ele foi lhe dizendo que ficasse calma, que tudo daria certo, que ela receberia o socorro necessário.
Cinquenta e oito anos depois, frente às câmeras de televisão, ela e o marido mostravam a alegria de sua união.
Bom, o marido não era outro senão o jovem oficial americano que a encontrou magra, suja, desnutrida e a carregou nos braços, naquele dia distante.
Ela não somente teve a sua vida salva naquele momento, sendo resgatada de uma situação de penúria, como encontrou o seu grande amor.
Um Amor que atravessou meio século e continua tão forte e especial como nos dias do início do namoro.
Um Amor que foi concebido ao final de uma hecatombe e em que o primeiro encontro foi num ambiente de dor, miséria moral e intenso sofrimento.
Ele era o jovem robusto, vigoroso. 

Ela, uma esquálida jovem, pouco mais que adolescente, sofrida e quase sem esperanças.
Deus tem mesmo inimagináveis caminhos para encontros e reencontros de almas que se desejam unir pelo amor.
*   *   *
Se os dias lhe parecem demasiado pesados, com sua carga de problemas, não desista de lutar.
Se você está a ponto de abandonar tudo, espere um pouco. 

Aguarde o amanhecer, espere o dia passar e deixe o sol retornar outra vez.
Quando você menos espera, o socorro chega, a situação se modifica, a problemática alcança uma solução.
Não se esqueça:-
- O Amor de Deus nunca falha! 

Aguarde !!!!!

 Redação do Momento Espírita

Aquilo que Realmente é Importante !!!


Aquilo que Realmente é Importante !!!

Certa manhã, Carl Coleman estava indo de carro para o trabalho e bateu no para-lama de outro veículo.

Ambos pararam, e a mulher que dirigia o outro carro desceu para ver o estrago.

Ela ficou angustiada. 

Algumas lágrimas lavavam seus olhos preocupados, discretamente.

Assumiu a culpa e disse que seu carro era novinho em folha.

Fazia dois dias que havia saído da loja, e ela estava com medo de enfrentar o marido e a reação que ele teria.

Coleman agiu com simpatia, mas precisava apresentar seus documentos e ver os dela.

Ela, um tanto trêmula, retirou do porta-luvas um envelope contendo os documentos.

Na frente dos documentos, escritas com a letra característica de seu marido, estavam as seguintes palavras:-

- Em caso de acidente, lembre-se, querida:-
- É você quem eu amo, e não o carro.

A narrativa nos traz uma reflexão de muita importância para nossas vidas.

Qual o valor que atribuímos às coisas?

Será que, por vezes, nossas reações perante a ameaça de perda dessas coisas, não mostra que parecemos valorizar mais nossos bens do que nossos amores?

Em acidente semelhante ao relatado, quantos escândalos, gritos e repreensões são ouvidos antes da simples pergunta:- - Você está bem? 
 Ou
-  Aconteceu alguma coisa com você?

Será que lembramos daquilo que realmente é importante?

É claro que o zelo, o cuidado pelo que temos é necessário, porém, nosso materialismo excessivo leva-nos a colocar os bens em primeiro plano. 

Acidentes ocorrem e podem acontecer com qualquer um de nós.

Podemos ser motoristas hábeis, previdentes e cuidadosos e, mesmo assim, o risco desses incidentes ainda será grande, pois eles fazem parte do mundo em que vivemos.

É triste perceber que algumas pessoas chegam a perder suas vidas, defendendo bens, acreditando que a reação a um assalto, por exemplo, evitaria o prejuízo.

Ledo engano. 

O prejuízo é muito maior do que imaginamos, quando se trata de vidas humanas, de nossas vidas.

Será que estamos lembrando daquilo que realmente é importante?

Será que o pai de família não pensa que, numa pequena discussão de trânsito, num desaforo que ele não deseja levar para casa, está pondo em risco a sua vida, e todo o futuro de seus familiares?

Podemos chamar de irresponsável a pessoa que acredita na reação violenta para resolver suas questões.

Não nos deixemos enganar, valorizando mais um carro novo do que uma esposa, um marido; valorizando mais um enfeite caro de nossa casa do que um filho, um amigo.

Se por hora perdermos os bens, ou se formos atingidos por um prejuízo financeiro, lembremos de que sempre poderemos conquistar tudo novamente, e que não estamos aqui na Terra para acumular bens e fortuna.

Estamos aqui para aprender a amar, para crescer como Espíritos.

Não ajunteis tesouros na Terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam.

Ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.

Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.


 
Por Redação do Momento Espírita, com base no 
- Capítulo:- Não se esqueça daquilo que realmente é importante, 
de Paul Harvey, 
do Livro:- Histórias para aquecer o coração, 
de Alice Gray, Editôra Sextante, 
com Citação do Evangelho de Mateus, cap. 6, versículos 19 a 21. 


quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Amor e Justiça


Amor e Justiça

Houve, séculos atrás, uma tribo cujo chefe era tido como superior aos de todas as demais.
 
Naquela época, a superioridade era medida pela força física. 
 
A tribo mais poderosa era a que tinha o chefe mais forte.
 
Mas esse chefe não tinha somente força física. 
 
Era também conhecido por sua sabedoria.
 
Desejando que o povo vivesse em segurança, criou leis abrangendo todos os aspectos da vida tribal.
 
Eram leis severas que ele, como juiz imparcial, fazia cumprir com rigor.
 
Certa feita, pequenos furtos começaram a acontecer.
 
Ele reuniu o povo e, com tristeza no olhar, frisou que as leis tinham sido feitas para os proteger, para os ajudar. 
 
Como todos tinham o de que necessitavam para viver, não havia necessidade de furtos. 
 
Assim, estabeleceu que o responsável teria o castigo habitual aumentado de dez para vinte chibatadas.
 
Os furtos, entretanto, continuaram. 
 
Ele voltou a reunir o grupo e aumentou o castigo para trinta chibatadas.
 
Os furtos não cessaram.
 
Por favor, pediu o chefe. 
 
Estou suplicando. 
 
Para o bem de todos, os furtos precisam parar. 
 
Eles estão causando sofrimento entre nós.
 
E aumentou o castigo para quarenta chibatadas.
 
Naquele dia, os que estavam próximos dele, viram que uma lágrima escorreu pela sua face, quando dispersou o grupo.
 
Finalmente, um homem veio dizer que tinha identificado o autor dos furtos. 
 
A notícia se espalhou e todos se reuniram para ver quem era.
 
Um murmúrio de espanto percorreu a pequena multidão, quando a pessoa foi trazida por dois guardas. 
 
A face do chefe empalideceu de susto e sofrimento.
 
Era sua mãe. 
 
Uma senhora idosa e frágil.
 
E agora? 
 
 O povo começou a questionar se ele seria, ainda assim, imparcial. 
 
Será que faria cumprir a lei? 
 
Seria o amor por sua mãe capaz de o impedir de cumprir o que ele mesmo estabelecera?
 
Notava-se a luta íntima dele que, por fim, falou:-
- Meu amado povo. 
 
Faço isso pela nossa segurança e pela nossa paz. 
 
As quarenta chibatadas devem ser aplicadas, porque o sofrimento que esse delito nos causou foi grande demais.
 
Acenou com a cabeça e os guardas fizeram sua mãe dar um passo à frente.
 
     Um deles retirou o manto dela, deixando à mostra as costas ossudas e arqueadas. 
 
O carrasco, armado de chicote, se aproximou e começou a desenrolar o seu instrumento de punição.
 
Nesse momento, o chefe retirou o próprio manto e todos puderam ver seus ombros largos, bronzeados e firmes.
 
Com muito carinho, passou os braços ao redor de sua querida mãe, protegendo-a, por inteiro, com o próprio corpo.
 
Encostou o seu rosto ao dela e misturou as suas com as lágrimas dela. 
 
Murmurou-lhe algo ao ouvido e então, fez um sinal afirmativo para o encarregado.
 
O homem se aproximou e desferiu, nos ombros fortes e vigorosos uma chibatada após outra, até completar exatamente quarenta.
 
Foi um momento inesquecível para toda a tribo que aprendeu, naquele dia, como se podem harmonizar com perfeição, o amor e a justiça.
 
                                         *   *   *
O amor é vida, e a compaixão manifesta-lhe a grandeza e o significado.
 
O amor tudo pode e tudo vence, encontrando soluções para as situações mais difíceis e controvertidas.
 
Enfim, o amor existe com a finalidade exclusiva de tornar feliz aquele que o cultiva, enriquecendo aqueloutro a quem se dirige.
 
Redação do Momento Espírita
 

Vinte Modos


 Vinte Modos

Modos com que nós, espíritas, perturbamos a marcha do Espiritismo:-
 1º  - Esquecer a reforma íntima;

 2º  - Desprezar os deveres profissionais;

 3º  - Ausentar-se das obras de caridade;

 4º  - Negar-se ao estudo;

 5º  - Faltar aos compromissos sem justo motivo;

 6º  - Rogar privilégios;

 7º  - Escapar deliberadamente dos sofredores para não prestar-lhes pequeninos serviços;

 8º  - Colocar os princípios espíritas à disposição de fachadas sociais;

 9º  - Especular com a Doutrina em matéria política;

10º - Sacrificar a família aos trabalhos da fé;

11º - Açambarcar muitas obrigações, recusando distribuir a tarefa com os demais companheiros ou não abraçar incumbência alguma, isolando-se na preguiça;

12º - Afligir-se pela conquista de aplausos;

13º - Julgar-se indispensável;

14º - Fugir ao exame imparcial e sereno das questões que concernem à clareza do Espiritismo, acima dos interesses e das pessoas;

15º - Abdicar do  raciocínio, deixando-se manobrar por movimentos ou criaturas que venham sutilmente ensombrar a área do esclarecimento espírita com preconceitos e ilusões;

16º - Ferir os outros com palavras agressivas ou deixar de auxiliá-los com palavras equilibradas no monento preciso;

17º - Guardar melindres;

18º -Olvidar o encargo natural de cooperar respeitosamente com os dirigentes das instituições doutrinárias;

19º - Lisongear médiuns e tarefeiros da causa espírita;

20º - Largar aos outros responsabilidades que nos competem.

Livro:- Opinião Espírita 
André Luiz 
 Chico Xavier

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Diálogo


Diálogo

Não tenhas receio de te expor a um amigo, através da palavra.

E nem te cause estranheza o que alguém venha a te dizer a respeito de si mesmo.

Não há quem não necessite da complacência dos ouvidos alheios.

Quão raro são os que sabem escutar!

O receio de não serem compreendidos faz com que muitos se calem e carreguem sozinhos a cruz que lhes pesa na alma.

No entanto, em qualquer diálogo, a não ser com o sincero propósito de auxiliar, nunca menciones as falhas de um terceiro.

Falem de si, entre si, mas não dos outros, na ausência dos outros.

Todos, um dia, haverão de se desnudar e de revelar-se como são.

Substitui a crítica pela compaixão.

Na verdade sobre os outros, há sempre algo de tua própria verdade que preferes ignorar.

Escuta-os, pois, como se, falando de si, estivessem falando de ti mesmo.

“Dias Melhores”
Irmão José
 Carlos A. Bacceli

- https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/caminhodaluz/conversations/messages/16488

Precisamente


Precisamente

Diante das soluções aguardadas para amanhã, é imperioso atender aos problemas de hoje.
Declara-te sob manchas morais e foges de servir, quando precisamente a vida nos descera o ensejo de auxiliar, para que o suor, na prática do bem, nos dissipe as nódoas do coração.
Confessas-te em débitos lamentáveis e desertas das boas obras, quando precisamente dispomos da oportunidade de agir, a benefício dos semelhantes, a fim de que venhamos a alcançar o resgate preciso.
Asseveras-te em falta grave e acolhes-te à intolerância, quando precisamente no exercício da bondade para com os outros é que obteremos desculpas em favor de nós mesmos.
Afirmas-te frágil, quando precisamente por isso é que as tribulações nos sitiam a estrada, a fim de que saibamos conquistar o apoio da fortaleza.
Dizes-te inútil, quando precisamente para que nos façamos prestativos e valiosos é que possibilidades inúmeras de trabalho nos rodeiam em cada dia.
Acusas-te ignorante, quando precisamente para que nos instruamos para que as experiências difíceis nos desafiam, em toda parte.
Não te isoles, a pretexto de imperfeição.
O discípulo permanece no educandário, precisamente para aprender.
E, em todo educandário, as lições seguem curso normal, conforme o programa que as preceitua.
Ao aluno aplicado, passaporte de competência.
Ao aluno vadio, convite à repetição.
Assim também conosco.
A vida é a escola de nossas vidas.
Quem quiser pode aproveitá-la em todas as circustâncias.
O tempo, contudo, assemelha-se ao professor equilibrado e correto que premia o merecimenteo, considera o esforço, reconhece a boa-vontade e respeita a disciplina, mas não cria privilégios e nem dá cola a ninguém.

Livro:- Justiça Divina
Emamanuel
 Francisco Cândido Xavier

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Homenagem a Chico Xavier



 Homenagem a Chico Xavier

 Chico Xavier, mesmo com toda a projeção de sua mediunidade e de sua obra, sempre se manteve simples, humilde, atencioso e desprendido.

No ano de 1977, quando se comemorava os 50 anos de seus labores mediúnicos ele declarou em uma das entrevistas:-

- "Sou sempre um Chico Xavier lutando para criar um Chico Xavier renovado em Jesus e, pelo que vejo, está muito longe de aparecer como espero e preciso..."


(Perri de Carvalho, Chico Xavier -- O homem e a obra. 
São Paulo:- Ed. USE, 1997).

Uma década após sua desencarnação Francisco Cândido - Chico - Xavier é uma referência nacional, como exemplo de dedicação ao esclarecimento espiritual, ao Bem e à Paz.


Antonio Cesar Perri de Carvalho  
Vice-presidente da Federação Espírita Brasileira

Abstem-se


Abstem-se

Abstém-se de fixar as deficiências do companheiro e procura destacar-lhe as qualidades nobres, nas quais se caracterizem de alguma forma.

Examina o bem, louva o bem e estende o bem quanto puderes.

A paz pode passar a residir hoje mesmo em nosso campo íntimo.

Basta lhe ofereçamos o refúgio da compreensão e isso depende unicamente de nós.

Se te encontras na condição de peça na engrenagem de hoje, a que se acolhem tantas criaturas aflitas, não te entregues ao luxo do desânimo e, sim, trabalha servindo sempre.

É preciso aprender a suportar os revezes do mundo, sem perder a própria segurança.

Haja o que houver, trabalha na edificação do bem e segue adiante.

Dor, na maioria das vezes, é o tributo que se paga ao aperfeiçoamento espiritual.

Dificuldade mede eficiência.

Ofensa avalia a compreensão.

A própria morte é nova forma de vida.

Resiste aos movimentos que tendam a desfibrar-te a coragem e mantém-te de pé na tarefa a que a vida te buscou.
Recorda que tudo se altera para o bem.

 Livro:- "Caminho Iluminado"
Emmanuel
 Francisco Cândido Xavier.
Fonte: CACEF