Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 31 de março de 2014

Vida após a Morte - O Paraíso Espírita


Vida após a Morte 
 O Paraíso Espírita

Diz a doutrina espírita que, depois da morte, há uma nova vida:-
- Esta é uma jornada certa e cheia de revelações para os espíritos desencarnados. 

Agora, descubra mais sobre o lado de lá.

Há quem diga que a morte é a única certeza que temos na vida. 

Para os adeptos do Espiritismo, no entanto, há uma certeza ainda mais significativa:-
- O fato de que, depois da morte do corpo físico, o espírito se liberta, tornando-se consciente e verdadeiramente vivo.

Mas, afinal, como é essa tal de Vida Espiritual? 

Para onde vamos, o que fazemos, com o que nos preocupamos quando chegamos ao lado de lá? 

 Segundo o espiritismo, há várias respostas possíveis. 

Após a morte, os caminhos de cada um se abrem conforme diferentes circunstâncias, desde a forma como morremos até a maneira como agimos na Terra.

Uma coisa é certa:-
- Cada ser une-se a outros que possuem o mesmo padrão vibratório de pensamento. 

Assim, todos têm possibilidade de desenvolver-se ao lado de seus semelhantes, como em uma escola, até que estejam aptos a alcançar níveis superiores da espiritualidade.

 
 Vânia Silva

A Chave de Luz


A Chave de Luz


Lembra-te de que ninguém avança sem companhia.
 
Toda obra pede auxílio e cooperação.
 
A árvore protege a fonte, tanto quanto a fonte alimenta a árvore.
 
O pão que extingue a fome:-
- É filho da compaixão do solo que nutriu a semente, - Da renúncia da semente que germinou para o sol e - Da força do sol que amparou a terra obscura e sustentou a semente frágil.
 
* * *

Assim também, vida afora, nas empresas que o mundo te conferiu, não prescindirás de braços amigos que te estendam socorro e fraternidade.
 
 
* * *
 
Todavia, não basta exponhas a outrem as necessidades que te afligem, nem vale te desmandes na queixa, encarecendo perante alheios ouvidos a angústia de teus problemas, a fim de que a verdadeira amizade se te revele, eficiente e prestigiosa.
 
Indispensável saibas abrir as portas dos corações para que te não falte concurso às construções da existência.
 
Corações que, muitas vezes, jazem trancados na avareza afogados no vinagre da aflição ou deprimidos nos espinheiros do sofrimento.
 
Corações que padecem a flagelação do egoísmo, a paralisia do orgulho, o desvario da vaidade, a chaga da ignorância e o assalto do desalento.
 
Não te impressione, porém, a seara da treva em que se mergulham.
 
Quase todos esperam apenas a chave de luz que lhes descerre a passagem da noite para o dia, para a luz da libertação.
 
Avizinha-te deles com ternura e bondade, sem agravar-lhes a dor.
 
Desvenda-lhes o próprio ser, em forma de compreensão e serviço e todos virão ao teu encontro, sustentando-te os passos na tarefa a que te impuseste na vida, porque, em verdade, é da lei do Senhor que alma alguma resista ao toque da humildade com a chave da gentileza.


Emmanuel 
 

domingo, 30 de março de 2014

Acenda a Própria Luz


Acenda a Própria Luz


Acenda a própria luz...

Uma luz, apenas, pode fazer uma grande diferença quando temos somente escuridão em volta.

Quando você acende uma luz numa sala iluminada, a diferença é mínima.
  Mas quando você acende uma luz numa sala que estava totalmente escura, você modifica de forma significativa o ambiente.

A luz revela possibilidades. 

Ela faz os obstáculos parecerem menos ameaçadores.

A luz deixa as situações mais claras e fáceis de resolver.

Quanto mais você estiver rodeado de negatividade, maior será o impacto de manter-se positivo.

Apenas uma pessoa que insista em dizer "sim, vamos conseguir", e que de forma contínua trabalha para fazer as coisas acontecerem, alcançará resultados magníficos.

Se você só consegue sentir energia negativa à sua volta, encare isso como uma oportunidade. 

"Acenda a sua Luz"!

Considere a diferença que você pode fazer com seus pensamentos e suas ações positivas.

Acenda a sua própria luz, e aqueles que estiverem por perto não poderão deixar de enxergá-la.

E quanto mais escuro estiver à sua volta, mais a sua luz brilhará.

Autoria Desconhecida

Clique aqui para ler mais:

Canção de Deus


Canção  de Deus

Cada ser é uma canção de Deus:-
- Única, Individual, Incomparável, que não se repete, mas, ainda assim, vinda da mesma fonte.

Cada canção tem sua própria fragrância, sua própria beleza, sua própria música, sua própria melodia, mas o cantor é o mesmo.

Todos nós somos diferentes canções de um mesmo cantor, diferentes gestos de um mesmo dançarino.

Começar a sentir isso é meditação...

Então, os conflitos desaparecem, as invejas se tornam impossíveis e a violência fica inimaginável, porque, por todo o mundo ninguém mais existe além de nossos próprios reflexos.

Se pertencemos à mesma fonte, como todas as ondas do oceano, então qual o sentido do conflito, da competição, de se sentir superior ou inferior e de todas essas tolices?

Ninguém é superior e ninguém é inferior, todos são simplesmente eles mesmos...

E cada um é tão único que nunca antes houve algum indivíduo como você, e não existe possibilidade de haver um indivíduo como você novamente.

Na verdade, você próprio não é o mesmo em dois momentos consecutivos.

Ontem você era uma pessoa diferente, hoje você é outra pessoa. 
Amanhã, não dá para saber.

Cada ser é um fluxo, uma mudança constante, um rio fluindo.

Heráclito diz que você não pode pisar no mesmo rio mais de uma vez, porque o rio está constantemente fluindo.

E o rio representa a vida.

Osho
 

sábado, 29 de março de 2014

Ouvir Estrelas


Ouvir Estrelas

O poeta e jornalista Olavo Bilac, a quem devemos os emocionantes versos do Hino à bandeira brasileira, escreveu inspiradamente:-
-“Ora (direis) ouvir estrelas! 

Certo perdeste o senso" e eu vos direi, no entanto, que, para ouvi-las muita vez desperto e abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda noite, enquanto a Via Láctea, como um pálio aberto, cintila. 

E, ao vir o sol, saudoso e em pranto, inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora:-
- "Tresloucado amigo! 

Que conversas com elas? 

Que sentido tem o que dizes, quando não estão contigo?" e eu vos direi:-
- "Amai para entendê-las! 

Pois só quem ama pode ter ouvido capaz de ouvir e de entender estrelas".

O amor nos dá um sentido novo.

Não nos referimos apenas a ter significado a vida, mas um novo sentido, uma sensibilidade a mais para compreender o mundo e as pessoas.

É essa tal sensibilidade que nos faz capazes de entender melhor as razões da existência, que nos faz compreender melhor o outro e seu mundo íntimo, que nos faz olhar mais para os lados, menos para o chão, mais para céu.

Ouvir estrelas é receber a vida e compreender Deus de forma mais suave, menos complicada, mais apaixonada.

Sim, pois para se entender e aceitar a vida é preciso estar apaixonado por ela.

Para se entender e aceitar Deus faz-se necessário estar apaixonado por Ele, em primeiro lugar. 

Senti-lO, antes de questioná-lO ou entendê-lO com a razão.

Ouvir estrelas é perceber o que ninguém percebe. 

Num mundo de tantas informações, de tantas notícias, é saber escolher o que desejamos saber ou não, quando desejamos e quando não.

Ouvir estrelas é ter tempo para olhar quem você ama demoradamente, num ato de contemplação simples, sem razões, sem porquês...

Ouvir estrelas é saber aceitar e aceitar-se, guardando no coração a certeza de que tudo existe para o nosso bem, para nosso crescimento.

Ouvir estrelas é chorar de compaixão pela dor do outro, mas não se afogar no lago dessas lágrimas. 

É sair dele antes que flutuemos na água. 

É sair de nosso mundo e conhecer o do outro, fazendo parte dele ativamente, e não apenas como espectador.

Mas antes é preciso amar... 

Sem o amor permanecemos surdos, e as estrelas mudas para nós – adereços luxuosos para homens egocêntricos e insensíveis.

Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento!

Ditoso aquele que ama, pois não conhece nem a miséria da alma, nem a do corpo.

Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo.

Quando Jesus pronunciou a divina palavra, amor, os povos se sobressaltaram, e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.

E eu vos direi:-
- "Amai para entendê-las!

Pois só quem ama pode ter ouvido capaz de ouvir e de entender estrelas."


Redação do Momento Espírita
 com citação do poema "Ouvir estrelas"
 de Olavo Bilac e com base 
no item 8 -  do cap.11
 "O Evangelho Segundo o Espiritismo"
 Allan Kardec
 Ed. Feb

Fonte:-
-  Centro Espírita Caminhos de Luz
Pedreira
SP-Brasil

Não Desanimar


Não Desanimar

Cabe-nos não desanimar; prosseguir com o espírito voltado para o bem, de tal forma, que as paixões primitivas cedam lugar às peregrinas virtudes descendentes do amor.

Desesperada, a criatura humana suplica misericórdia, e os céus generosos fazem chover sobre a terra as messes de misericórdia e de encorajamento para a vida.

Não vos deixeis contaminar pelos desequilíbrios que grassam, pelo vírus do horror, que leva a vida aos patamares mais sofridos. 

Erguei-vos em pensamentos e em ação Àquele que nos prometeu estar conosco em qualquer circunstância para que pudéssemos ter vida e vida em abundância.

Filhos da alma, vossos guias espirituais adejam ao vosso lado como aves sublimes de ternura, aguardando a oportunidade de manter convosco intercâmbio iluminativo.

Não vos permitais o luxo da negativa às suas inspirações gloriosas. 

Não recalcitreis ante o espinho cravado nas carnes da alma de que necessitais momentaneamente.

Desde quando conhecestes Jesus, tendes o descer de demonstrar-lhe fidelidade e amor, basta-vos abrir os sentimentos de fraternidade e de misericórdia para com todos aqueles que sofrem, perdoando-vos os equívocos e perdoando as agressões que vos chegam ameaçadoras.

Ninguém a sós, em nome desses espíritas, que comparecem a este evento há cinquenta e nove anos sucessivamente.

Nós vos conclamamos à diretriz de segurança para uma existência de paz. Amar! 

Sede vós aqueles que amam. 

Rejeitados, menosprezados e até perseguidos, aureolai-vos no amor para que se exteriorizem os sentimentos sublimes do Cordeiro de Deus e em breve possamos ver bebendo no mesmo córrego, o lobo e o cordeiro, os bons e os ainda maus, fascinados pela água pura do Evangelho libertador.

Ide em paz, meus filhos, retornai aos vossos lares e buscai a luz da verdade que dissipa a ignorância e que anula a treva.

Jesus conta convosco na razão direta em que com Ele contamos. 

Abençoe-nos o incomparável amigo Jesus e dê-nos a sua bênção de paz.


Com muito carinho, o servidor humílimo e paternal de sempre,

pelo Espírito Bezerra de Menezes
 Psicofonia de Divaldo Pereira Franco
 na conferência de encerramento da 59ª Semana Espírita de Vitória da Conquista, em 9.9.2012.

Centro Espírita Caminhos de Luz
Pedreira
SP-Brasil

sexta-feira, 28 de março de 2014

Jesus - O Auxílio Mútuo


Jesus 
 O Auxílio Mútuo

Diante dos companheiros, André leu expressivo trecho de Isaías e falou, comovido, quanto às necessidades da salvação.

Comentou Mateus os aspectos menos agradáveis do trabalho e Filipe opinou que é sempre muito difícil atender à própria situação, quando nos consagramos ao socorro dos outros.

* * *

Jesus ouvia os apóstolos em silêncio e, quando as discussões, em derredor, se enfraqueceram, comentou, muito simples:-
– Em zona montanhosa, através de região deserta, caminhavam dois velhos amigos, ambos enfermos, cada qual a defender-se, quanto possível, contra os golpes do ar gelado, quando foram surpreendidos por uma criança semimorta, na estrada, ao sabor da ventania de inverno.

Um deles fixou o singular achado e clamou, irritadiço:-  – “Não perderei tempo. 

A hora exige cuidado para comigo mesmo. 

Sigamos à frente”.

O outro, porém, mais piedoso, considerou:-
– “Amigo, salvemos o pequenino. 

É nosso irmão em humanidade”.

– “Não posso – disse o companheiro, endurecido – sinto-me cansado e doente.  

Este desconhecido seria um peso insuportável. 

Temos frio e tempestade. 

Precisamos ganhar a aldeia próxima sem perda de minutos”.

E avançou para diante em largas passadas.

O viajor de bom sentimento, contudo, inclinou-se para o menino estendido, demorou-se alguns minutos colando-o paternalmente ao próprio peito e, aconchegando-o ainda mais, marchou adiante, embora menos rápido.

A chuva gelada caiu. 

Metódica, pela noite a dentro, mas ele, sobraçando o valioso fardo, depois de muito tempo atingiu a hospedaria do povoado que buscava.   

Com enorme surpresa, porém, não encontrou aí o colega que o precedera. 

Somente no dia imediato, depois de minuciosa procura, foi o infeliz viajante encontrado sem vida, num desvão do caminho alagado.

Seguindo à pressa e a sós, com a ideia egoística de preservar-se, não resistiu à onda de frio que se fizera violenta e tombou encharcado, sem recursos com que pudesse fazer face ao congelamento, enquanto que o companheiro, recebendo, em troca, o suave calor da criança que sustentava junto do próprio coração, superou os obstáculos da noite frígida, guardando-se indene de semelhante desastre. Descobrira a sublimidade do auxílio mútuo… 

Ajudando ao menino abandonado, ajudara a si mesmo. 

Avançando com sacrifício para ser útil a outrem, conseguira triunfar dos percalços da senda, alcançando as bênçãos da salvação recíproca.

A história singela deixara os discípulos surpreendidos e sensibilizados.

* * *

Terna admiração transparecia nos olhos úmidos das mulheres humildes que acompanhavam a reunião, ao passo que os homens se entreolhavam, espantados.

Foi então que Jesus, depois de curto silêncio, concluiu expressivamente:-
– As mais eloquentes e exatas testemunhas de um homem, perante o Pai Supremo, são as suas próprias obras.

 Aqueles que amparamos constituem nosso sustentáculo. 

O coração que socorremos converter-se-á agora ou mais tarde em recurso a nosso favor. 

Ninguém duvide. 

Um homem sozinho é simplesmente um adorno vivo de solidão, mas aquele que coopera em benefício do próximo é credor do auxílio comum. 

Ajudando, seremos ajudados. Dando, receberemos:-
- Esta é a Lei Divina.



Livro:- Jesus no Lar
Néio Lúcio 
 Chico Xavier. 
Ed. FEB 
 Federação Espírita Brasileira

Tolerância


Tolerância

Tolerância é caminho de paz. 

 Não julgues esse ou aquele companheiro ignorante ou desinformado, porquanto, se aprendeste a ouvir, já sabes compreender.

Diante de criaturas que te enderecem qualquer agressão, conversa com naturalidade, sem palavras de revide que possam desapontar o interlocutor.

Perante qualquer ofensa, não percas o sorriso fraternal e articula alguma frase, capaz de devolver o ofensor à tranqüilidade.

Nos empecilhos da existência, tolera os obstáculos sem rebeldia e eles se te farão facilmente removíveis.

No serviço profissional, suporta com paciência o colega difícil, e, aos poucos, em te observando a calma e a prudência, ele mesmo transformará para melhor as próprias disposições.

Em família, tolera os parentes menos simpáticos e, com os teus exemplos de abnegação, conquistarás de todos eles a bênção da simpatia.

No trânsito público, não passes recibo aos palavrões que alguém te dirija e evitará discussões de conseqüências imprevisíveis.

Nos aborrecimentos e provações que te surgem, a cada dia, suporta com humildade as ocorrências suscetíveis de ferir-te, e a tolerância se te fará a trilha de acesso à felicidade, de vez que aceitarás todos os companheiros do mundo na condição de filhos de Deus e nossos próprios irmãos.
 
Emmanuel
 Francisco Cândido Xavier
Livro:- Plantão de Paz   
 

quinta-feira, 27 de março de 2014

A Grandeza do Silêncio


A Grandeza do Silêncio


O Silêncio é Doçura:-
Quando não respondes às ofensas,
Quando não reclamas os teus direitos,
Quando deixas à Deus a defesa da tua honra.

O Silêncio é Misericórdia:-
Quando te calas diante das faltas de teus irmãos,
Quando perdoas sem remoer o passado,
Quando não condenas, mas intercedes
em segredo.

O Silêncio é Paciência:-
Quando sofres sem te lamentares,
Quando não procuras consolação junto aos homens,
Quando não intervéns, esperando que
a semente germine lentamente.

O Silêncio é Humildade:-
Quando te apagas para deixar aparecer teu irmão,
Quando, na discrição, revelas dons de Deus,
Quando suportas que tuas ações sejam mal interpretadas,
Quando deixas a outros a glória da obra inacabada.

O Silêncio é Fé:-
Quando te apagas, sabendo que é Ele quem age...
Quando renuncias às vozes do mundo para
permanecer na Sua presença...
Quando te basta que só Ele te compreenda.
*Autor Desconhecido* 
 

A Semeadura


A Semeadura

Quem planta árvores, colhe alimentos.

Quem planta flores, colhe perfumes.

Quem semeia trigo, colhe pães.

Quem planta amor, colhe amizades.

Quem semeia alegria, colhe felicidade.

Quem planta a vida, colhe milagres. 

Quem semeia verdade, colhe a confiança. 

Quem semeia fé, colhe a certezas. 

Quem semeia carinho, colhe gratidão. 

 No entanto, há quem prefira semear tristeza e colher amarguras. 

Plantar discórdia e colher solidão. 

Semear vento e colher tempestades. 

Plantar ira e colher inimizades . . . 

Plantar injustiça e colher abandono. 

Somos semeadores conscientes, espalhamos diariamente milhões de sementes ao nosso redor. 

Que possamos escolher sempre as melhores, para que, ao recebermos a dádiva da colheita farta e tenhamos apenas motivos para agradecer!
*AUTOR DESCONHECIDO*

quarta-feira, 26 de março de 2014

Antiga Bençao Celta


Antiga Bençao Celta

"Que o caminho venha ao teu encontro, 
Que o vento sempre sopre às tuas costas, 
E a chuva caia suave sobre teus campos, e até que voltemos a nos encontrar, 
Que Deus te sustente suavemente na palma de sua mão. 

Que vivas todo o tempo que quiseres, e que sempre o possas viver plenamente, 
Lembras sempre de esquecer as coisas que te entristeceram. 

Porém nunca esqueças de lembrar daquelas que te alegraram...

Lembras sempre de esquecer os amigos que se revelaram falsos,
Porém nunca esqueças de lembrar daqueles que te permanecem fiéis.
Lembras sempre de esquecer os problemas que já passaram...
Porém nunca esqueças de lembrar as bençãos de cada dia,
Que o dia mais triste de teu futuro,
Não seja pior que o dia mais feliz de teu passado.

Que o teto nunca caia sobre ti,
E que os amigos reunidos debaixo dele nunca partam...
Que sempre tenhas palavras cálidas em um anoitecer frio,
Uma lua cheia em uma noite escura,
E que o caminho sempre se abra à tua porta.

Que vivas cem anos, mas com um ano extra para arrepender-te, 
Que o Senhor te guarde em sua mão, 
Mas que não apertes muito seus dedos... 
Que teus vizinhos te respeitem, 
Os problemas te abandonem, 
Os anjos te protejam e o céu te acolha,

E que a sorte das colinas Celtas te abrace... 
Que as bençãos de São Patrício te contemplem. 

Que teus bolsos estejam pesados, e teu coração leve, Que a boa sorte te persiga, e a cada dia e cada noite, Tenhas muros contra o vento, um teto para a chuva, bebidas junto ao fogo...

Risadas que consolem aqueles que amas,
E que teu coração se preencha com tudo o que desejas...
Que Deus esteja contigo e te abençoe,
Que vejas os filhos de teus filhos,
Que o infortúnio te seja leve e breve...
E que ele te deixe rico de bençãos.

Que não conheças nada além da felicidade deste dia em diante,
Que Deus te conceda muitos anos de vida ...
Pois com certeza Ele sabe que a terra não tem anjos suficientes...
E assim seja a cada ano e que vivas para sempre.”