Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Após a morte, vamos para o céu oupara o inferno ?


 
Após a morte, vamos para o céu oupara o inferno ?


Você acredita nisso ?

O Espírito chamado Gotuzo descreve o que sofreu após a sua desencarnação. 

Ele aprendeu em sua religião aqui na Terra que iria para o céu após a morte. 

Mas, ao desencarnar não foi o que encontrou. 

Reclamou direitos e suplicou bênçãos que não merecia. 

Regressou ao templo religioso que frequentava e ninguém o identificou. Narrou ele:- - (...) Desesperado, então, mergulhei-me por longos anos em dolorosa cegueira espiritual. 

E, francamente, rememorando fatos, rio-me, ainda hoje, da confiança ingênua com que cerrei os olhos no lar, pela última vez, O padre Gustavo prometia-me a convivência dos anjos – veja bem! – e asseverava-me que eu seria levado em triunfo aos pés do Senhor, e isso apenas porque legara cinco contos de réis à nossa antiga paróquia. 

Meus familiares acompanhavam, em pranto, nosso diálogo final, em que minha palavra sufocada comparecia, em monossílabos, de longe em longe, na extrema hora do corpo. 

No entanto, se era quase impossível para mim o comentário inteligente da situação, o pároco falava por nós ambos, explanando a felicidade que me caberia no Reino de Deus. 

Médico de curta jornada, mas de intensa observação, a moléstia não me enganou, mas, inexperiente nos assuntos da alma, confundiram-me plenamente as promessas religiosas. 

Penetrando o portão do sepulcro e não me sentindo na corte dos santos, voltei, copiando perigosas atitudes dos sonâmbulos, para interpelar (questionar) o sacerdote que me encomendara o cadáver às estações celestes. 

Incompreendido e cego, peregrinei por muito tempo, entre a aflição e a demência, nas criações mentais enganadoras que trouxera do mundo físico (...)

Capítulo V do Livro:- Obreiros da Vida Eterna escrito por André Luiz e psicografia de Chico Xavier.

(...) A morte a ninguém propiciará passaporte gratuito para a ventura celeste. 

Nunca promoverá compulsoriamente homens a anjos. 

Cada criatura transporá essa aduana da eternidade com a exclusiva bagagem do que houver semeado e aprenderá que a Ordem e a Hierarquia, a Paz do Trabalho Edificante, são característicos imutáveis da Lei, em toda parte. 

Ninguém, depois do sepulcro, gozará de um descanso a que não tenha feito jus, porque “o Reino do Senhor não vem com aparências externas” (...)

 Emmanuel

Grupo de Estudo Allan Kardec

 

O Despertar da Princesa Diana no Mundo Espiritual !!!


O Despertar da Princesa Diana no Mundo Espiritual !!!

Como foi, o que aconteceu ?

Certo dia, a Princesa Diana vai procurar Madre Teresa de Calcutá, abrindo-lhe o coração. 

Falou-lhe de suas angústias, do vazio que sentia em seu íntimo, muito embora, a sua, fosse uma vida de glamour. 

E confessou-lhe o desejo de fazer parte de sua ordem religiosa.

A Madre comoveu-se ante o relato, cheio de ternura e confiança, e viu muita doçura e bondade na alma daquela mulher simples, porém muita rica e famosa. 

E, com grande carinho, buscou orientar-lhe. 

Disse-lhe que ela era uma princesa e, como tal, não poderia pertencer à sua ordem religiosa, de extrema pobreza. 
Então, a madre lhe disse:-
 - Diana, você pode doar esse amor às crianças indefesas. 
- Na sua posição, você pode auxiliar muitas delas, que sofrem... 
- A caridade pode ser exercida em qualquer lugar onde nos encontremos...

A Princesa voltou para o seu palácio e daí em diante, dedicou-se a visitar crianças vítimas da aids, essa enfermidade tão cruel, e auxiliou, com enorme carinho, crianças mutiladas pelas minas das guerras... 

Desde então, encontrou a alegria de ser útil, o prazer de servir.

Madre Teresa tudo acompanhava pelos informes da TV, da imprensa. 

E, entre aquelas duas mulheres, elos de amor passaram a existir.

O tempo correu. 

Alguns meses depois, a princesa, amiga dos sofredores, a Rosa da Inglaterra, como era conhecida mundialmente, veio a desencarnar num acidente que chocou a todos.

A Madre, muito abalada, ao saber do fato, apressou-se a tomar providências e a cancelar compromissos, a fim de comparecer ao funeral, dias depois.

Algo, porém, alterou-lhe os planos. 

Sua saúde, muito instável, levou-a à cama. 

Alguns dias se passaram, e Madre Teresa veio também a falecer.

Joanna de Ângelis nos contou, então o suceder dos acontecimentos, do "outro lado"...

Madre Teresa foi recebida numa festa de luz, sob a carinhosa assistência de Teresa de Lisieux, a Santa Terezinha do Menino Jesus, como é adorada na Igreja Católica. 

Permaneceu consciente de seu processo desencarnatório, na paz de consciência que sua vida honrada lhe fizera merecer. 

E é então que ela pergunta à religiosa que lhe recebera, onde estava Diana. 

E Teresa de Lisieux lhe conta que a princesa, devido ao choque causado pelo acidente, estava dormindo, ainda em refazimento e recuperação.

Madre Teresa de Calcutá vela pela princesa, faz-lhe companhia, ora por sua harmonização. 

E, no momento de despertar, quando Diana abre os olhos diante da vida espiritual e reconhece a Grandeza do Amor de Deus, eis que ela revê a madre, a religiosa afetuosa e amiga que, com extremado amor, lhe diz:-
- Agora, minha filha, você está pronta para ser aceita na minha ordem. 
- Iremos trabalhar juntas, com a bênção do Senhor.

-Nós, que sabemos como o mundo espiritual é fascinante, diz Divaldo, imaginemos o júbilo desse encontro! 

 Joanna de Ângellis

Divaldo Pereira Franco


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Quando devemos tomar passes ?

 
 Quando devemos tomar passes ?

Em qualquer situação ou não ?

De quando em vez, ouves alguém te dizer que se encontra necessitado de ir ao Centro Espírita para “tomar uns passes”…

- A qualquer hora – dizem os que assim se expressam –, lá comparecerei, porque estou muito necessitado de uns passes…

E complementam:-
- Qual é mesmo o dia da reunião?…
 
A culpa de tão grande equívoco, quanto à finalidade de um Centro Espírita, não pertence somente a eles, que, com certeza, de Espiritismo não sabem absolutamente nada.
 
Vocês me desculpem a franqueza, mas a culpa maior é nossa mesmo, ou seja, dos espíritas, que, infelizmente, vêm desvirtuando o Centro Espírita da real tarefa que deve cumprir junto à comunidade.
 
Centro Espírita não é para livrar ninguém de seus “encostos”, nem para aliviar o peso de quem se encontra “carregado”, para que, depois, ele continue aprontando como sempre aprontou…
 
Quanta ignorância, da parte de quem continua a ver na religião única e tão somente uma espécie de muleta para quando ele estiver trôpego!
 
Todavia, enquanto nós não transformamos os Centros Espíritas naquilo que eles, verdadeiramente, devem e precisam ser – Universidade do Espírito –, a Doutrina continuará pagando o preço de nossas limitações no que tange ao seu conhecimento e aplicação.
 
Não ignoramos que, sem dúvida, o Centro, a encarnados e desencarnados, é um pronto-socorro e um hospital, mas, acima de tudo, deve ser oficina de trabalho e escola.
 
Precisamos, sim, começar a modificar esta mentalidade em quem recorre aos seus préstimos espirituais apenas para “tomar uns passes” – e esta tarefa cabe aos diretores da Instituição pela qual se responsabilizam, que, sem mais demora, sobre a Mediunidade, devem começar a priorizar o estudo da Doutrina nas reuniões abertas ao público.
 
Talvez, muitos venham alegar que o passe, a água magnetizada, o trabalho de cura e a conversa com os Guias nas reuniões de mediunismo, atraem grande público para o Espiritismo – podem atrair público, mas não atraem adeptos esclarecidos!
 
E depois, a Doutrina, em tempo algum, se preocupou com o chamado “proselitismo de arrastamento”… 

Se a Fé Espírita é Raciocinada, evidentemente, que todos somos chamados a refletir sobre os seus postulados, estudando-os e assimilando-os, gradativamente.
 
Como costuma dizer o preclaro Amigo Odilon Fernandes, não é a toa que o Espiritismo é a Religião do Livro!
 
Em um Centro Espírita que pretende mais bem servir ao Ideal, o estudo da Doutrina precisa ser incrementado, e não somente para grupos fechados – o estudo deve ser aberto a todos, de preferência, sendo levado a efeito nas reuniões públicas.
 
O estudo primeiro, e o passe depois!
 
Não há outra maneira de fazermos com que as pessoas, em geral, vejam o Espiritismo com maior seriedade, e como sendo fundamental para que a sua visão da Vida se modifique substancialmente.

Inácio Ferreira
Uberaba - Mg
15 de abril de 2013


Constância é fundamental para Crianças





Constância é fundamental para Crianças

O ritmo na vida de uma criança se instala a partir do momento que há uma repetição. 

Acordar mais ou menos na mesma hora, trocar de roupa, ir ao banheiro, arrumar a cama, tomar o café, escovar os dentes e sair de casa. 

O que para nós pode ser uma completa monotonia sem graça, para as crianças é segurança, é calma. 

Essa constância é fundamental pra elas.

Se observarmos a nossa volta, principalmente na natureza, podemos ver que tudo tem um ritmo:-
- Dia e noite, dias da semana, estações do ano, as frutas que nascem em determinadas épocas. 

Podemos fazer uma analogia também com o ritmo da nossa respiração. 

Um momento se está mais pra dentro (inspiração), brincando dentro de casa, tomando um lanche, a criança fica mais quietinha. 

Em outro momento (expiração), ela brinca no parque, corre, brincando livre dentro de casa mesmo.

Quando tudo isso acontece de forma repetida traz a sensação de segurança, de confiança, pois já sabemos o que vai acontecer a seguir. 

Com a criança não é diferente e temos que ter isso ainda mais presente, pois ela está em processo de desenvolvimento e de formação. 

No caso dos pequenos, além de se sentirem mais seguros e confiantes, esse ritmo traz também saúde física e psíquica. 

Ele também é um aliado importante para ajudar a combater um mal que tem tirado muitas de nossas crianças do prumo, a ansiedade. 

Hoje é comum crianças chegarem ao consultório com essa queixa. 

Quando não existe esse respeito, esse cuidado para acordar, para fazer as refeições, para dormir a criança fica confusa, perdida e demonstra isso em seus comportamentos.

Vamos pensar primeiro na rotina básica, higiene, alimentação, sono. 

Quando determinamos horários para que essas coisas aconteçam e repetimos isso diariamente, a criança internaliza. 

Significa que esse ritmo passa a viver dentro dela. 

Não precisamos dizer que já são seis horas e é hora do banho. 

Se o banho sempre estiver depois da hora de guardar os brinquedos e antes do jantar, por exemplo, isso se tornará natural e ela fará com tranquilidade. 

(...) O importante é termos em mente que no nosso entorno existe um ritmo acontecendo e trazer isso para a vida das crianças é fundamental.

 
Alessandra da Silva Ferreira


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Um Tapa na nossa Cara !!!!!


Um Tapa na nossa Cara !!!!!


A violência não está nos tapas nas bundas das crianças.

Não.


Grande parte da violência na atualidade está nas minúcias.

Tenho percebido. 


A violência está no chegar em casa cansada e sem saco para brincar com filho.


A violência está na resposta rude à pergunta impensada da filha.


A violência está nos pais que não suportam pausar vidas. 


Mesmo a criança não tendo nada a ver com isso - com a chegada, as escolhas, com as vidas em si, e só precisar disto:-
- Presença.

A violência está na impaciência. 

No não saber esperar tempo de filho de fechar a tampa da pasta de dentes, tirar da mão, fechar ligeiro.

A gente violenta diariamente.


Quando desabafa lavando a louça que não tem mais tempo para si.


Quando berra do banheiro que só quer fazer cocô em paz.

A gente violenta, e nem percebe.


Esquece que a doença pressa é nossa, não deles. 


Que o tempo é outro. 

E que a pausa que não damos à vida é a vida de nossas crianças.

A gente empobrece rotina tornando chato. 


Obrigação. 

Limpar a casa, escovar os dentes, tomar banho, fazer xixi. 

Andar pela rua é puxar menino.

A gente violenta.


E nem vê.


E quando a resposta vem agressiva a gente estranha. 


Opa. 

De onde saiu isso? 

A gente não sabe ter inteligência emocional e exige deles. 

A gente esquece do tapa que é uma impaciência nossa. 


Do soco que é um encontro sem brincar. 

Do empurrão que é a gente grudada em celular frente ao filho ou filha.

A gente violenta, e nem percebe.


E nossas crianças estão sem tapas nas bundas, mas com carências de tempo e brincar conjunto.

Barra do Garças, Mato Grosso, 02 de julho de 2016



#paitôindo #mãetôvoltando 

 Autora:- Genifer Gerhardt
Foto:- Adrian McDonalds


Não é Culpa Sua



sexta-feira, 7 de julho de 2017

Quando o corpo morre, demoramos para nos desligar ?


Quando o Corpo morre, demoramos para nos desligar ?

Como é esse processo ?

Morte física e desencarne não ocorrem simultaneamente. 

O indivíduo morre quando o coração deixa de funcionar. 

O Espírito desencarna quando se completa o desligamento, o que demanda algumas horas ou alguns dias.

Basicamente o Espírito permanece ligado ao corpo enquanto são muito fortes nele as impressões da existência física.

Indivíduos materialistas, que fazem da jornada humana um fim em si, que não cogitam de objetivos superiores, que cultivam vícios e paixões, ficam retidos por mais tempo, até que a impregnação fluídica animalizada de que se revestem seja reduzida a níveis compatíveis com o desligamento.

Certamente os benfeitores espirituais podem fazê-lo de imediato, tão logo se dê o colapso do corpo. 

No entanto, não é aconselhável, porquanto o desencarnante teria dificuldades maiores para ajustar-se às realidades espirituais. 

O que aparentemente sugere um castigo para o indivíduo que não viveu existência condizente com os princípios da moral e da virtude, é apenas manifestação de misericórdia. 

Não obstante o constrangimento e as sensações desagradáveis que venha a enfrentar, na contemplação de seus despojes carnais em decomposição, tal circunstância é menos traumatizante do que o desligamento extemporâneo.

Há, a respeito da morte, concepções totalmente distanciadas da realidade. 

Quando alguém morre fulminado por um enfarte violento, costuma-se dizer:-

- "Que morte maravilhosa! 

- Não sofreu nada!"

No entanto, é uma morte indesejável.

Falecendo em plena vitalidade, salvo se altamente espiritualizado, ele terá problemas de desligamento e adaptação, pois serão muito fortes nele as impressões e interesses relacionados com a existência física.

Se a causa da morte é o câncer, após prolongados sofrimentos, em dores atrozes, com o paciente definhando lentamente, decompondo-se em vida, fala-se:-

"Que morte horrível! 

Quanto sofrimento!"

Paradoxalmente, é uma boa morte.

Doença prolongada é tratamento de beleza para o Espírito. 

As dores físicas atuam como inestimável recurso terapêutico, ajudando-o a superar as ilusões do Mundo, além de depurá-lo como válvulas de escoamento das impurezas morais. 

Destaque-se que o progressivo agravamento de sua condição torna o doente mais receptivo aos apelos da religião, aos benefícios da prece, às meditações sobre o destino humano. 

Por isso, quando a morte chega, ele está preparado e até a espera, sem apegos, sem temores.

Algo semelhante ocorre com as pessoas que desencarnam em idade avançada, cumpridos os prazos concedidos pela Providência Divina, e que mantiveram um comportamento disciplinado e virtuoso. 

Nelas a vida física extingue-se mansamente, como uma vela que bruxuleia e apaga, inteiramente gasta, proporcionando-lhes um retomo tranquilo, sem maiores percalços.

 

Livro:- Quem tem medo da Morte 

 
 
 

As 7 Maravilhas da Espiritualidade !!!


As 7 Maravilhas da Espiritualidade !!!


Sempre ouvimos comentários, na mídia, das chamadas Sete Maravilhas do Mundo. 

São obras faraônicas, que marcaram a história das civilizações mundiais, e algumas delas já nem existem… 

Perderam-se no tempo, ou foram destruídas em acidentes e guerras.
Houve nova eleição em 2007, sendo então eleitas as sete maravilhas do “mundo moderno”. 

Para fins didáticos, nos referiremos às anteriores como referentes ao mundo antigo, que são:-

1. Pirâmide de Quéops;
2. Jardins Suspensos da Babilônia;
3. Estátua de Zeus, em Olímpia;
4. Tempo de Ártemis, em Éfeso;
5. Mausoléu de Halicarnasso;
6. Colosso de Rodes;
7. Farol de Alexandria;

As eleitas no ano de 2007, referentes aos tempos atuais foram:-

1. As muralhas da China;
2. Petra;
3. O Cristo Redentor;
4. Machu Picchu;
5. Chichén Itzá;
6. Coliseu;
7. Taj Mahal;

A Doutrina Espírita, codificada por Kardec, transmite-nos inúmeras maravilhas! 

Porém, tivemos o cuidado de escolher apenas sete, numa alusão ao tema. O critério de escolha não foi a importância, sendo colhidas de forma aleatória:-

1. DEUS


“Inteligência suprema, causa primária de todas as coisas”, Soberanamente Justo e Bom. 

Essas informações já seriam suficientes, para nos fortalecermos na caminhada evolutiva.


Podemos, porém, usar como referência da grandiosidade do Pai, os dizeres de Francisco Cândido Xavier, no capítulo 28 do Livro:- “Na Era do Espírito”:-


- (…) Porque tudo está dentro da Ordem Divina. 

Cada mundo, cada sistema, cada galáxia, orientados por Inteligências Divinas, e Deus para lá disso tudo, sem que possamos fazer-lhe uma definição.

2. IMORTALIDADE DO ESPÍRITO

Em sua inteligência suprema e amor inigualável, criaria Deus seres perecíveis?

Os seres criados por Deus são imortais! 

Momentaneamente, vestimos corpos físicos, pois somos testados em nossas tendências, através do esquecimento de nossos atos passados e daquilo que combinamos para essa encarnação. 

Mas jamais deixaremos de existir!

3. COMUNICABILIDADE

Em seu infinito amor, Deus se fez Pai dos encarnados e também dos desencarnados. 

Havendo duas dimensões (física e espiritual), perguntamos:-

- Deus criaria dois planos (ou dimensões) isolados?
A lógica nos diz que deve haver comunicação entre os dois planos, ambos habitados por irmãos nossos.

Esse raciocínio nos leva a crer na comunicabilidade dos desencarnados com os encarnados, através de uma ferramenta chamada mediunidade.

Fala-se muito na transcomunicação instrumental. 

Mas a ferramenta mediúnica nos coloca muito a frente desses aparelhos eletrônicos, pois o médium pode comunicar-se com os espíritos diretamente pelo pensamento!

4. REENCARNAÇÃO

Reflete o retorno do espírito ao plano físico, para nova série de provas e a expiação dos erros mais grotescos do seu passado.


Citada de forma indireta por Jesus, e referida em inúmeras passagens do Antigo Testamento, a pluralidade das existências nos possibilita o esquecimento do passado, pela limitação vibratória imposta pelo corpo físico. 

Assim, sem a lembrança dos erros passados e daquilo que combinamos para essa existência, devemos analisar as tendências que portamos para nos conhecermos. 

É inegável que o autoconhecimento é a primeira e maior ferramenta da reforma íntima.

5. PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

Nas notas do evangelista João, o governador espiritual do orbe - Jesus - nos revela:-

– Na casa do meu Pai há muitas moradas…


Reflitamos:-

- Onde fica a “casa do Pai”?

- Será que a morada divina restringe-se ao planeta Terra? 

- Seria menosprezar a sabedoria e o amor divino. 

Jesus nos revela, por essas palavras, que existe vida inteligente fora do nosso orbe. 

Cada planeta do Universo infinito tem, teve ou terá habitantes em vias de progresso.

6. LEI DO PROGRESSO

Umas das mais sublimes entre as Leis Morais (3ª parte de “O Livro dos Espíritos”) possibilita-nos o crescimento mediante o esforço!


Hoje, melhores do que ontem!


Amanhã, melhores do que hoje!


Sempre amparando e sendo amparado! 

(Vide questão 779 da mesma obra).

7. LEI DO TRABALHO

Pois é através do trabalho que se progride, e já sabemos que não se pode colher sem plantar!


Bendita Doutrina Espírita, que nos proporciona tanta iluminação!

André Sobreiro

 

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Falando sobre a Síndrome do Pânico




A Síndrome do Pânico é uma doença caracterizada por ataques recorrentes que consistem em:-
- Uma sensação de medo ou mal estar intenso, acompanhada de sintomas físicos e cognitivos, como diarreia, falta de ar, dor no peito, dores de cabeça, medo de morrer, entre outros.

É um transtorno de ansiedade, ou seja, difere-se da ansiedade normal que é uma reação natural do indivíduo, útil para se adaptar e reagir perante situações de medo e expectativa.

Um agravante aos portadores da doença é a preocupação com a ocorrência de novos ataques. 

Isto faz com que eles vivam sob constante insegurança, comprometendo em muito sua qualidade de vida.

A boa notícia é que a Síndrome do Pânico pode ser tratada através do uso de medicamentos e psicoterapias. 

Exercícios físicos também podem ser muito benéficos ao paciente portador da doença. 

Para diagnosticar a doença e definir a melhor forma de tratamento é preciso o apoio de um profissional da área de psiquiatria.

Quanto antes o quadro for tratado, maiores as chances de uma vida saudável e tranquila.

Cobrança Indevida


Cobrança Indevida


Depois de um dia de caminhada pela mata, mestre e discípulo retornavam ao casebre, seguindo por longa estrada.

Ao passarem próximo a uma moita de samambaia, ouviram um gemido.

Verificaram e descobriram um homem caído.

Estava pálido e com uma grande mancha de sangue, próxima ao coração.

Tinha sido ferido e já estava próximo da inconsciência.

Como muita dificuldade, mestre e discípulo o carregaram para o casebre rústico, onde viviam. 

Lá trataram do ferimento.

Uma semana de pois, já restabelecido, o homem contou que havia sido assaltado e que ao reagir fora ferido com uma faca. 

Disse também que conhecia seu agressor, e que não descansaria enquanto não se vingasse.

Disposto a partir, o homem disse ao sábio:-
- “Senhor, muito lhe agradeço por ter salvado a minha vida. 

Tenho que partir e levo comigo a gratidão por sua bondade. 

Vou ao encontro daquele que me atacou e vou fazer com que ele sinta a mesma dor que senti.”

O mestre olhou fixo para o homem e disse:-
- “Vá e faça o que deseja. Entretanto, devo informá-lo de que você me deve três mil moedas de ouro, como pagamento pelo tratamento que lhe fiz.”

O homem ficou assustado e disse:-
- “Senhor, é muito dinheiro. 
- Sou um trabalhador e não tenho como lhe pagar esse valor!”

Com serenidade, tornou a falar o sábio:-
- “Se não pode pagar pelo bem que recebeu, com que direito quer cobrar o mal que lhe fizeram?”

O homem ficou confuso e o mestre concluiu:-
- “Antes de cobrar alguma coisa, procure saber quanto você deve. 
- Não faça cobrança pelas coisas ruins que aconteçam em sua vida, pois a vida pode lhe cobrar tudo de bom que lhe ofereceu.”

-- 0 --

Todos os dias somos aquinhoados com centenas de bênçãos.
 
A primeira, é a própria oportunidade de tornar a abrir os olhos no corpo físico.

Depois, a oportunidade de encher os pulmões de ar. 

Ar que nos é dado pela Divindade.

A bênção do alimento que nos nutre o corpo. 

Alimento que extraímos da terra generosa, bastando que nela plantemos a semente.

A bênção do trabalho que nos permite o desenvolvimento das nossas habilidades, o progresso, a aquisição de bens materiais que nos são necessários.

Enfim, o digno sustento próprio e dos que nos constituem responsabilidade.

A bênção da religião, que nos fortalece o espírito, dando-nos conhecimento de existência de um Deus Pai, que dirige os nossos destinos e guarda a nossa vida.

A bênção da família, dos amigos, dos colegas, dos animais de estimação.

Cada qual, a seu modo, nos oferta, a cada dia, seu caminho, sua devoção, enriquecendo as nossas horas.

Pense, enfim, nas bênçãos que todos os dias você recebe, sem esforço algum.

Você não precisa acender o sol, nem pedir a ele que apareça.
Ele simplesmente vem e lhe dá calor, luz e vida.

Você não necessita acionar botão algum para que o vento amigo se manifeste nos dias de ardência. 

Ele simplesmente vem. 

Balança o arvoredo, espanca nuvens borrascosas, limpa o céu e ainda brinca de desarrumar os seus cabelos.

Você não precisa suplicar ao botão para desabrochar. 

Ele arrebenta em perfume e colorido para o seu deleite.

Você não precisa suplicar aos pássaros que encham de sons o dia. 

Eles aparecem e brindam seus ouvidos com a variedade infinita de seus trinados e cantorias.

-- 0 --

Por tudo isso, pense:-
- Que direito você tem de tomar contas a quem quer que seja, por algo ruim que lhe tenha feito, ante um débito tão grande para com a Divindade que tudo vê, provê, sem exigência alguma?

"Pense nisso!"

*Fonte: Equipe de redação do Momento Espírita, com base em estória de autoria ignorada.
*Publicação:-

Mensagem Espírita   http://www.mensagemespirita.com.br/

dbl2_videira