Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Quando as almas vibram na mesma sintonia, elas se atraem e se reconhecem !!!


Quando as almas vibram na mesma sintonia, elas se atraem e se reconhecem !!!





Os encontros mais importantes, já foram combinados pelas almas antes mesmo que os corpos se vejam... 
(Paulo Coelho) 

Dizem que vivemos várias vidas… 

Se formos analisar a vida do espírito, podemos dizer que vivemos uma só, ora em um corpo físico e ora fora dele, na construção do Eu que se modifica e engrandece nas várias existências, em diversos corpos e diversas “personalidades”, embora essas nunca percam sua essência.

Uma vez conquistado ou aprendido um atributo do espírito, como a paciência, resiliência, capacidade de perdoar, etc., esses não se perdem. 

Carregamos sempre conosco esses bens espirituais, nossos verdadeiros tesouros.

Não somos os mesmos de outras existências físicas, assim como não somos os mesmos de 10 anos, 5 anos, 1 ano, 1 mês atrás. 

Pois estamos em constante mudança, crescimento e renovação íntima. 

Mas os laços que criamos com aqueles que nos relacionamos não desatam, apenas se esticam ou se afrouxam. 

E sendo a vida contínua, as histórias provavelmente não terminam com a morte do corpo físico, e sim quando atingido seu objetivo.

E se formos considerar uma vida sendo uma história construída com pessoas específicas, podemos considerar que em uma existência física vivemos várias vidas, pois vivemos várias histórias com pessoas distintas.

Hoje em dia tudo virou “carma”, seja bom ou ruim. 

No caso do ruim sentimos, por exemplo, aquela impressão do “meu santo não bate com o dele”, e enquanto não nos acertarmos com o outro podemos sim viver a mesma história com a mesma pessoa por várias existências físicas. 

(Pode ser então que eu tenha que suportar o mesmo marido ou mulher por várias outras vidas além dessa?)

Temos que ter em mente que não estamos aqui para suportarmos uns aos outros, e sim para aprendermos a amar. 

Enquanto estivermos suportando ficamos presos, quando aprendemos a amar, nos libertamos.

Com relação ao carma bom, é aquela sensação boa de reencontro, simpatia, alegria. 

O que faz com que queiramos nos relacionar com uns ao invés de outros. 

Sendo a história do espírito uma escrita constante, ela não cessa com as mudanças físicas, e sim retoma do ponto anterior, após uma pequena ou longa pausa.

Daí vem o especial, a saudade sem razão, as fortes emoções, etc. 

Pois quando as almas vibram na mesma sintonia elas se atraem e se reconhecem, independente dos corpos que habitam.

Autor desconhecido


Nenhum comentário:

Postar um comentário